Generosidade como Ações de Graças

Generosidade como Ações de Graças

Generosidade como Ações de Graças

Como Abraão demonstrou ao entregar o dízimo a Melquesedeque em Gênesis capítulo 14, investir generosamente e sacrificialmente no Reino de Deus é a maior expressão de nossa gratidão pela misericórdia e graça de Deus sobre nós. Praticar mordomia sacrificial é um ato tangível de reconhecimento de que tudo o que temos—não somente o nosso dízimo—pertence a Deus, de qualquer forma.

Jesus viveu o exemplo perfeito de como a graça de Deus flui através de cada um de nós para os outros. Ao amadurecermos em nossa fé, aprender a sermos melhores mordomos de Seus recursos é evidência de que estamos aprendendo a imitar melhor o Mestre com o crescimento do discipulado. Tornar-se generoso, doadores “transbordantes” de Sua graça, é a forma mais verdadeira de adorar Aquele que provê para todas as nossas necessidades.

Um dos sermões mais antigos sobre mordomia está registrado em 1 Pedro, quando o apóstolo oferece instrução importante para os cristãos do primeiro século que foram dispersos pela Ásia Menor. Especificamente em 1 Pedro 4:10, diz: “Cada um exerça o dom que recebeu para servir aos outros, administrando fielmente a graça de Deus em suas múltiplas formas” (NVI).

Pedro encorajou esses irmãos e irmãs para imitarem a Cristo como recipientes de onde também flui a graça de Deus. Com base no contexto fornecido por outras partes deste capítulo, essa imitação incluiu não apenas a administração generosa do dinheiro, mas também a provisão de dons não monetários por Deus. Isso tem sido resumido para o que alguns têm chamado de “Três Ts” – Tempo, Talento e Tesouro. Independente de nossa agenda corrida, o nosso nível de talento ou o tamanho de nossa conta bancária, podemos ter a certeza de que a provisão diária do SENHOR é um derramar de Sua graça. Um coração grato nos compele a compartilhar os nossos dons da forma como o SENHOR nos dirige, particularmente ao entendermos que somos meramente mordomos de tudo que, por direito, pertence a Ele.

Nos últimos anos, alguns de nossos líderes da igreja ficaram hesitantes em ensinar sobre mordomia e oferta sacrificial. Muitas vezes escutamos que as pessoas estão cansadas de ouvir apelos por dinheiro. Para piorar as coisas, a reputação da igreja foi prejudicada por alguns ministros cristãos de alto nível que levam estilos de vida extravagantes. Isso causou uma desconfiança significativa tanto dos membros da igreja quanto de outras pessoas de fora da igreja.

Uma das receitas para o movimento de crescimento da igreja é suprimir a “fala de dinheiro” para que não ofendamos ninguém que chega para adorar. Algumas igrejas retiraram a parte de dízimo e ofertas da liturgia toda do culto. Os cultos das igrejas ainda foram afetados com a recente pandemia global, considerando que o distanciamento social exigiu ajustes aos métodos tradicionais de ofertar. Mas a mordomia é um pilar do discipulado, e desenfatizar a oferta sacrificial pode levar a uma igreja cheia de discípulos superficiais. Fazedores de discípulos bem sucedidos podem precisar encontrar formas novas e criativas de tornar a oferta parte de cada culto de adoração.

Um obstáculo no desenvolvimento de mordomos generosos é que os adoradores muitas vezes não entendem o impacto do Reino de suas doações. Isso se aplica especialmente às gerações mais jovens que frequentam a igreja que não se relacionam com um “armazém”, dando o conceito de que muitos da geração baby boomer têm praticado. Pesquisas recentes mostram que gerações mais jovens são bem generosas; entretanto, elas querem engajamento total com os ministérios que elas apoiam. Sendo assim, prestar relatório de resultados e efeitos dos ministérios é crescentemente importante para nossos ministérios locais, distritais e globais.

Proporcionar transparência ao relatar os resultados ministeriais demanda tempo e é difícil. Envolve muito esforço compilar dados e preparar métodos criativos de comunicação. Mas conseguir articular claramente a extensão completa da visão da igreja—descrevendo necessidades específicas para cumprir com aquela visão e apresentar os resultados—é imperativo para promover mordomos generosos. A maioria dos adoradores está ansiosa para investir no Reino quando se depara com uma necessidade específica e pode entender claramente como seu investimento fará uma diferença eterna.

Algumas igrejas, presumindo que as pessoas ali se “desligam” ao serem solicitadas por dinheiro, instruem os visitantes a passar o prato de oferta sem colocar nada, declarando especificamente que a participação na oferta era apenas para membros da igreja e frequentadores regulares. Essa prática tende a segregar os visitantes/convidados dos frequentadores regulares, e pode fazê-los sentir como se estivessem “do lado de fora, olhando para dentro”. Também desconsidera o fato de que visitantes e convidados muitas vezes desejam investir em algo além de si mesmos, especialmente quando entendem claramente a missão e os potenciais resultados de sua participação.

E se, ao invés de tratarmos os visitantes de forma diferente dos membros da igreja, nós lhes pedíssemos para se juntarem a nós no investimento do Reino? É realmente necessário que os visitantes sejam completamente transformados antes de podermos convidá-los para se unirem a Sua missão? Afinal de contas, Jesus chamou cada um dos doze discípulos originais para se juntarem à Sua missão enquanto ainda eram pescadores, cobradores de impostos, zelotes etc. antes que suas vidas fossem mudadas. Suas transformações em verdadeiros discípulos ocorreram muito depois que Jesus os chamou para “seguir-me”. Para ser claro, é crucial preencher as posições de liderança da igreja com crentes comprometidos; no entanto, pedir aos visitantes que participem do ministério pode ser o catalisador para atraí-los para um relacionamento com Cristo – assim como foi para os discípulos originais.

Quando excluímos a mordomia de nosso Ensino, nós ignoramos os pilares de discipulado, desconsideramos um componente importante da adoração e roubamos de nosso povo a incrível experiência de se tornar instrumentos da maravilhosa graça de Deus.

Keith Cox é o tesoureiro geral da Igreja do Nazareno.

Public

Similar news

Nov, 10, 2022
Nov, 02, 2022